Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Saltos sem altos

Saltos sem altos

Acampar com filhos

07.06.19, Ana sem saltos

Alguém faça atualização do software de São Pedro que esta bosta não dá com nada. Estive à beira de acender a lareira ontem, só não o fiz porque não.

Quando ainda por cima faz hoje uma semana que esta família sem saltos se enfiou no carro com pratos e pratinhos, mantas e mantinhas, almofadas e almofadinhas, lancheiras e lancheirinhas, tendas e tendinhas, martelos, lanternas, vassouras, fatos de banho, toalhas, mesinhas, camping gaz, protetores solares, chapéus de sol, colchões, e com certeza mais umas quantas tralhas que agora não me estou a lembrar PARA....

acampamento 2.JPG

(montar o lar <3)

Acampar.

 

Lembram-se deste relato aqui?

(há tanto tempo....)

Pronto, para além de não termos levado com um tufão de vento assassino, o tempo estava para lá de aconselhável para curtir este tipo de aventura com filhos e amigos, também já não há fraldas, nem potes de sopa, nem colos, nem chuchas,

(pausa para chorar)

Maneiras que correu para lá de bem.

O sítio era MARAVILHOSO, estamos à beira de comprar daquelas roulottes com prolongamento plastificados e barbecues desmontáveis para montar assumidamente o T2 de férias por ali. Estava praticamente vazio, escolhemos um sitio bem longínquo do parque, ali mesmo à beirinha de uma duna assassina que nos dava uma espécie de um acesso secreto à praia (DESERTA) ao mesmo tempo que promove uma tonificação assim ao nível do corpo todo na volta da praia.

acampamento 5.JPG

Olhem filhos, um sonho, só que isto não é para qualquer um.

Por exemplo, o meu filho mais novo, recém nascido árabe de sua mãe, tem um problema com o escuro. É uma coisa que não o assiste, pronto. A vida é para se ver e aquela coisa de estar para ali a supor que tudo está igual a quando há luz não é para ele.

Ver para crer. 

No sábado jantamos na praia, iguarias requintadas como salsichas e chouriços no fogareiro. Pôr de sol fenomenal, crianças felizes, pais também. Começa o sol a dar o real baza e o meu menino a colar-se à sua mãezinha que é ótima a combater medos alheios.

acampamento 7.JPG

(ANDACÁQUEOMUNDOÉMAU!)

acampamento 6.JPG

(SAGRES <3)

 

_ É melhor irmos.

_ Extá a ficar excuro.

_ NÃO GOSTO DE EXCURO.

Maneiras que me fui adiantando e mandei-me à duna assassina arrastando o menino pela mão, agarradinho à lanterna e a falar sozinho durante o caminho.

_ Não xei porque é que me obrigam a acampamentos....

E eu a arfar a subir aquela coisa e a puxar por um menino bestial de tamanho e peso e molenguice.

_ Bora manél, só faltam 67880 calorias.

_ Não xei mesmo. Isto está excuríximo. Isto é PERIGOJIXIMO!

<3

Temo o dia em que ele descubra que pode ligar a denunciar maus tratos infantis, até lá abusemos do poder de sermos nós a (achar) que mandamos.

acampamento 4.JPG

(Manhãs. Até cafézinho fizemos. Nível)

 

Medos à parte, este contacto mais direto com a natureza (e ouvir o mar à noite como se estivéssemos deitados à beira mar?) é uma coisa que, digo-vos, enriquece a alma com uma franqueza estonteante. Para além de ser uma espécie de uma aventura que delicia as crianças, e os torna mais conscientes desta coisa fenomenal que é...

Sermos uma família.

(Se quiserem dicas para se aventurarem numa experiências destas é só dizer, mas posso já resumir-vos o essencial.

Less is more, já vos falei disto, uma lata de atum pode saber melhor que o mais requintado sushi. Não ser comichoso e amar loucamente a natureza que inclui insetos, mosquitos e areia dentro dos lençois. E o mais importante, ter uma boa lancheira que aguente as cervejas fresquinhas).

 

>>Sigam-me também no instagram

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.