Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Saltos sem altos

Saltos sem altos

Voltar

04.11.19, Ana sem saltos
Estava aqui mergulhada em memórias, descobri que faz hoje 9 anos que assinamos a escritura da nossa casa, eu pançuda do primeiro rebento, toda cheia de esperança, expectativa e carnes,  ainda sem saber do turbilhão que estava prestes a rebentar e a fazer-me crescer mais um bocadinho. Com isto mergulhei também nas fotografias deste fim de semana, benzadeus, sou uma sortuda de todo o tamanho. É tão engraçado ver os meus bebés virarem rapazolas, observar o companheirismo deles com o (...)

O desafio de educar (III)

06.08.19, Ana sem saltos
Lá venho eu em modo materno, mas todos os dias me surpreendo um bocadinho mais com esta coisa da maternidade, qualquer dia expludo de surpresa. Os meus filhos têm uma diferença de três anos de idade. Isto fez com que nos primeiros tempos tivéssemos uma criança e um bebé, depois passaram a ser duas crianças, e se numa primeira fase - aquela em que o foco é garantir-lhes a sobrevivência e sorrisos - eram tratados de forma idêntica, subitamente acontece uma coisa. Eles começam a (...)

Viver o agora

25.07.19, Ana sem saltos
Já repararam na dificuldade MONUMENTAL que existe no simples ato de viver o agora? Falácia grotesca esta, ora vejamos, que hipótese temos nós se não habitar no presente? A questão é que muitas vezes o presente passa todo morninho, porque ficamos algures lá atrás a marinar e remarinar o já vivido, todos ahhhh dantes é que era! E vai na volta, quando o dantes era agora nem o estávamos a viver com todo o esplendor, se calhar enfiados num outro qualquer antes, antes desse antes. ( (...)

Memórias do facebook

16.07.19, Ana sem saltos
O Facebook tem esta coisa engraçada. De vez em quando lembra-se de nos ir sacar memórias, e vai daí acabei de ficar a saber coisas tão fenomenais como: Dia 16 de julho de 2011 o meu recém-nascido mais velho comeu a sua primeira papa. Dia 16 de julho de 2013 o meu corpo já tinha superado a perda de um bebé e eu escrevi um pequeno conto sobre um onda pequenina que nunca chegou a ser. Dia 16 de julho de 2014 o mundo passou a rodar mais depressa e o meu recém-nascido mais novo nasceu. (...)

Desabafos felizes

15.07.19, Ana sem saltos
(ontem) Vai fazer anos, o meu recém nascido, uma mão cheia deles para ser mais precisa, está de peito cheio, valha-me Deus, parece um pombo a fazer-se a uma manada de 45 pombas com o cio (as pombas têm cio?), aparece-me no quarto de manhã todo vestido, penteado de risca ao meio assim tudo acachapado, a pedir ajuda apenas para dizer qual é o sapato do pé esquerdo e qual é do direito. [Respira mulher.] (o tamanho da mão <3) Mas vai fazer, amanhã, e eu estou também num (...)

A importância do tempo

17.06.19, Ana sem saltos
Sabiam que o tempo é o bem mais valioso que temos? Se não sabiam deviam saber.  O tempo é um fenómeno estranhíssimo e misterioso, tipo Santíssima Trindade, é preciso alguma fé e aceitar, não vale a pena tentar compreender. Se em alguns momentos o tempo parece não andar nem por nada, quando esperamos uma notícia importante, quando apanhamos a seca da vida, quando estamos on hold numa chamada para a segurança social, noutros resolve tomar um speed daqueles e desata a fugir-nos (...)

Post lamechas

14.06.19, Ana sem saltos
Clara noção de como estou a envelhecer assim a galope, para além do visível crescimento de dois recém nascidos, o mais velho já diz "tens de ver o que o livro indica" para o mais novo que fica esgazeado a olhar para ele, mas dizia eu, clara noção do meu envelhecimento é a caminhada que já ultrapassa metade da minha vida ao lado do meu homem. #meuhomem (algures em 2001. Comecei namoro com um ucraniano <3)   Então diz-me o calendário que hoje, dia 14 de junho de 2019, a (...)

Acampar com filhos

07.06.19, Ana sem saltos
Alguém faça atualização do software de São Pedro que esta bosta não dá com nada. Estive à beira de acender a lareira ontem, só não o fiz porque não. Quando ainda por cima faz hoje uma semana que esta família sem saltos se enfiou no carro com pratos e pratinhos, mantas e mantinhas, almofadas e almofadinhas, lancheiras e lancheirinhas, tendas e tendinhas, martelos, lanternas, vassouras, fatos de banho, toalhas, mesinhas, camping gaz, protetores solares, chapéus de sol, (...)

Coisas que a aprendi ao ser mãe

31.05.19, Ana sem saltos
Estamos convitos que estamos cá para ensinar os pequenos embrulhos que nos arracam o coração para fora do peito, mas não senhores. Eles é que nos ensinam a nós. Mas não lhes digam nada, deixem que a vida os ensine quando for a vez deles de serem sovados com esta brutalidade de amor. #avingançaservesefria Então ora bem, desta longa caminhada na maternidade vou-vos fazer uma pequena shortlist dos principais ensinamentos que tenho vindo a retirar: (Há 1 milhão de anos atrás... <3) (...)