Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Saltos sem altos

Saltos sem altos

O desafio de educar (III)

06.08.19, Ana sem saltos
Lá venho eu em modo materno, mas todos os dias me surpreendo um bocadinho mais com esta coisa da maternidade, qualquer dia expludo de surpresa. Os meus filhos têm uma diferença de três anos de idade. Isto fez com que nos primeiros tempos tivéssemos uma criança e um bebé, depois passaram a ser duas crianças, e se numa primeira fase - aquela em que o foco é garantir-lhes a sobrevivência e sorrisos - eram tratados de forma idêntica, subitamente acontece uma coisa. Eles começam a (...)

Memórias do facebook

16.07.19, Ana sem saltos
O Facebook tem esta coisa engraçada. De vez em quando lembra-se de nos ir sacar memórias, e vai daí acabei de ficar a saber coisas tão fenomenais como: Dia 16 de julho de 2011 o meu recém-nascido mais velho comeu a sua primeira papa. Dia 16 de julho de 2013 o meu corpo já tinha superado a perda de um bebé e eu escrevi um pequeno conto sobre um onda pequenina que nunca chegou a ser. Dia 16 de julho de 2014 o mundo passou a rodar mais depressa e o meu recém-nascido mais novo nasceu. (...)

Viver no campo vs viver na cidade

09.07.19, Ana sem saltos
(a casa da casa do caracol <3 )   Pois ficai sabendo, minha gente, que esta mulher rude do campo já foi alfacinha de gema. Isto há milénios atrás, naqueles áureos tempos libertos de um amor avassalador que me faz ter forças para fazer rodar o mundo na ponta do indicador. #sermãe   A questão é que o campo foi sempre uma coisa que me esteve entranhada no ADN, e isto porque fui criança muito abençoada, neta de uma avó fenomenal que tinha uma quinta perto de Lisboa onde nos (...)

A importância do tempo

17.06.19, Ana sem saltos
Sabiam que o tempo é o bem mais valioso que temos? Se não sabiam deviam saber.  O tempo é um fenómeno estranhíssimo e misterioso, tipo Santíssima Trindade, é preciso alguma fé e aceitar, não vale a pena tentar compreender. Se em alguns momentos o tempo parece não andar nem por nada, quando esperamos uma notícia importante, quando apanhamos a seca da vida, quando estamos on hold numa chamada para a segurança social, noutros resolve tomar um speed daqueles e desata a fugir-nos (...)

Coisas que a aprendi ao ser mãe

31.05.19, Ana sem saltos
Estamos convitos que estamos cá para ensinar os pequenos embrulhos que nos arracam o coração para fora do peito, mas não senhores. Eles é que nos ensinam a nós. Mas não lhes digam nada, deixem que a vida os ensine quando for a vez deles de serem sovados com esta brutalidade de amor. #avingançaservesefria Então ora bem, desta longa caminhada na maternidade vou-vos fazer uma pequena shortlist dos principais ensinamentos que tenho vindo a retirar: (Há 1 milhão de anos atrás... <3) (...)

Sair com filhos

13.05.19, Ana sem saltos
Vocês não vão acreditar na BOMBA que tenho para vos contar.  É POSSÍVEL!!!!! (sair com filhos, leia-se). Dando uns passinhos atrás, sempre foi possível, atenção. Lá porque eu sou vagamente anhada, não quer dizer que não seja possível. Sempre saímos, mas não abusávamos, isto porque, além de dispendioso, valha-me Deus, A LOGÍSTICA era qualquer coisa de transcendente. Para além da logística, os meus adoráveis mini homens foram bebés, como dizer isto, irrequietos. (...)

O desafio de educar (II)

16.04.19, Ana sem saltos
Prova dos diabos, 'migos, é o que vos digo. Não me canso de dizer que esta coisa de lançar no planeta terra seres bestiais, tem o seu se quê de quase diabólico. E isto porquê? Primeiro, porque o mundo não é suficientemente perfeito para eles. Aliás, na verdade, o mundo é uma valente m##*@, a partir do momento que eles nascem ganhamos uma noção assustadora do assustador que é o mundo. Devia ser todo almofadado, feito de núvens de algodão doce e Gandis em cada esquina a (...)

O que muda depois dos filhos?

25.03.19, Ana sem saltos
Podia resumir este post com a mais sincera e completa resposta de todas. TUDO. (tidi) Mas como tudo é uma coisa relativa, detalhemos. Não julguem que vos vou falar de estrias, ou outras futilidades que tal. Ter filhos traz alterações muito mais profundas, vamos a elas. (#poderdaesfregona) 1. Noção do tempo Quando penso no decorrer da minha vida, o ritmo com que sinto a passagem do tempo é completamente desconexo. Parece que até ali à faculdade tudo demorou imeeeeeenso tempo, os (...)

Escrever para não esquecer (I)

22.03.19, Ana sem saltos
Ser mãe das criaturas mais bestiais deste universo e arredores tem muito que se lhe diga. Aquele cliché maravilhoso que diz que aprendemos muito com eles é mais do que verdade, é mote supremo de vida. Para além de todas as coisas que eles me ensinam diariamente (como sejam, não se diz palavrões, é possível aguentar 45 toneladas de areia num micromachine de 4 mm, o amor não se esgota, pelo contrário, multiplica-se feito praga, meter as mãos na terra pode ser assustador e (...)

Casamento e filhos

22.02.19, Ana sem saltos
Ora então assim à primeira vista, casamento e filhos parece daquelas correlações óbvias, uma coisa leva, inevitavelmente à outra, certo? Casamos, é suposto termos filhos, temos filhos e pressupõe-se que há ali algures um parceiro no crime. BOM. Ainda que esta relação pareça óbvia e devidamente apedrejada de ferramentas para que corra de forma natural e fluida, tipo, é suposto, é sonhado, é desejado, a verdade é que o casal leva uma tareia que parece ser impossível voltar (...)