Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Saltos sem altos

Saltos sem altos

Terapia das palavras

03.04.19, Ana sem saltos

Se calhar isto é um fenómeno só meu, mas há palavras que eu amo de paixão, têm poderes sobrenaturais em mim. Não vos acontece? Dizer uma palavra em específico e sentirem-se absolutamente enormes e eruditos e transcendentes? Tipo:

. Reclame

Epá... O que dizer sobre esta palavra? É magnífica. Digam-na alto. Re-cla-me. Enfase no "e", atenção, não é conjugar o verbo reclamar. É mesmo spot publicitário em nobre vintage. Amo.

eça de queiroz.jpg

(eu a dizer réclame)

. Alarve

Assim com a boca aberta ALAAARVE. Que maravilha, a sério... parece que acabei de enfardar uma feijoada transmontana.

(É assim que não engordo bitches, de nada, cá para vos ajudar)

. Telefonia

Para já o meu pai sempre me chamou labrega por chamar "rádio" ao aparelho que transmite, lá está, programas de rádio. Maneiras que proferir a palavra telefonia sempre me fez sentir assim parte de uma casta mais elevada, daquelas que só dão um beijinho e dizem possidónio e sófá.

Ainda que não tenha onde cair morta, mas em bom, sempre em bom.

. Palavrões assim no geral, esvaziam-me a alma de raivas e outros cancros que tal, quais yoga quais quê! Excepto um, mas não vou detalhar que este blogue ainda não tem audiências suficientes para eu soltar o taxista que mora em mim.

A propósito do item anterior, o meu filho mais velho deu-me uma lição de charme descomunal.

(outra que amo. DES-CO-MU-NAL,  digo-a e sinto-me automaticamente trajada de Gucci a tomar champanhe em flute de cristal em frente à Torre Eiffel. Mesmo que esteja enfiada no Continente de Lourel à caça das promoções do WC Pato).

frança.jpg

(oh, céus, deverei levar o de aromas marinhos? ou antes os florias? Dúvidas... a minha vida são só dúvidas)

Ora então, depois de um bate bocas no carro,

quem diz é que é, és tu, não tu é que és, hãhã eu disse primeiro, nãnã, eu é que disse,

a criança mergulha-me subitamente num estado de fúria com o irmão, e eu a guiar a ver a coisa a evoluir sem poder distribuir lambadas para acalmar os ânimos, já temendo o pior, até se virar para ele com os punhos cerrados e olhos marejados de lágrimas dizendo com um tipo de enfâse, como dizer isto, eloquente, que eu não lhe conhecia: 

ÉS PA-TÉ-TI-CO.

E eu fiquei tipo, wow, sim sanhor, isto é que é meter um gajo no lugar sem javardices, mas que classe.

Mas a quem é que tu sairás fo@£§-se? 

É que nem dava para contrapor, estão ver? Tipo, NÃO CHAMES PATÉTICO AO, COMO É QUE ELE SE CHAMA MESMO? Não senhores, pôs-se silêncio no automóvel (outra <3), alguém no seu perfeito juízo diz isto?

Calou-me a mim e ao irmão que não percebeu de todo o que ele disse mas achou que era comida.

 

2 comentários

Comentar post